Mais do que nunca, a humanidade está numa encruzilhada. Um caminho leva-nos à desesperança, o outro à destruição total. Rezo para que tenhamos o bom senso de escolher o caminho certo. Woody Allen

Segunda-feira, 2 de Julho de 2007
Contracanto
 

 
 
 
 

Contracanto

(João Carlos Teixeira Gomes)

                                       

A poesia não é um campo de flores
A poesia é um campo de dores
temores
sobressaltos
sensações nítidas do nada,
iras bastardas,vasto campo
onde o homem desloca o eixo da vida a oeste.

A poesia é o périplo e a vertigem.
A busca e o desencontro, o encontro jamais buscado.
É a verruma do segredo
que crava o peito do homem
nos muros rijos do medo.É a astuta armadilha
que arranca o homem sangrado
do fundo da sua ilha.

É arma que nunca falha
ao cortar a dor humana
com maciez de navalha.

A poesia é a moça de olhos abertos
aos apetites do mundo, é a moça. É seu sexo,
babel voraz de espirais sem nexo
É a toca. O refúgio. A vertigem.
O pássaro baleado na viagem.
Leoa de fulva penugem devorando a paisagem.
Veleiros e naus antigas cujos mastros não atingem
Os cais de bronze e salsugem.

A poesia está na vida
como a vida está na morte: una, contínua e forte.
A poesia tem vísceras
além de alma:
glândulas que pulsam fora de rima
e ritmo.
É istmo
alongado entre saudades remotas
de rotas ocultas e mortas.
É tudo que ruge e amedronta:
o silvo longo da bala,
o mistério e a cabala.É a afronta.

A poesia está na história
e não está: outrora, foi dramática, lírica e épica.
Hoje é frenética. E como o tempo
é módulo vivo em perpétuo movimento:
pêndulo a oscilar
nos pólos do seu tormento.
É o viver coagulado-
sangue do homem só
e emparedado.
É a desolação post-coitum.
O homem transubstanciado e morto.
É mais a guerra que a paz.
Menos a flor que o ferro.
Visão alucinatória
da cegueira de Homero.
É o gesto oculto de Aquiles
de Pátroclo nos funerais:uma mecha de cabelo
entre as mãos do bem-amado do maior dos generais.
É mão trêmula sobre mão
fugindo à solidão
da vida e da noite.

É o açoite
O desespero da noite, os sexos
Que se penetram, dardos
em úmidas cavernas, vida
vã que se revela:dura e eterna como os cardos.
É o soco rude na face.
A fome do homem.A agressão sem disfarce.
É a TV desligada reinventando o silêncio.
É a manchete que berra
a grande verdade do mundo: guerra.
O tédio. A solidão. A demência.
A brusca flagelação de uma autopenitência.
Fulgurações de punhal nos olhos do assassino.
As marcas da cicatriz vincadas pelo destino.
A sala. O relógio. O abandono.
O corvo turvo de Poe grasnando no nosso sono.

É a máscara mortuária: o ríctus da boca amarga
cingindo na língua imóvel a palavra solidária.
É o vazio. O espanto.

É a surdez de Beethoven
A mágoa dos que não vêem.A fúria dos que não ouvem.
É tudo que dói e fere entre o real e o mito
pulsações do sonho humano feito de sangue e conflito.

A poesia não é um campo de flores.
É o áspero contracanto.

A boca imobilizada no vértice de uma madrugada
de temores
e desamores

A poesia é um campo de dores.



publicado por eu às 01:13
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Contracanto

arquivos

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

tags

alegria(1)

amizade(2)

amor(68)

amor.vida(94)

angels(3)

angels-bom dia(2)

antero de quental(1)

bocage(3)

cecilia meirelles(1)

cesário verde(2)

christina aguilera(1)

feliz ano novo(1)

fernando pessoa(2)

fofoca(1)

guerra junqueiro(1)

joão carlos teixeira gomes(1)

love(3)

manuel alegre(2)

nossa senhora(1)

pensamentos(94)

petição(1)

poema(9)

renoir(1)

vasco graça moura(1)

vida(6)

vida.poema(1)

vinicius de moraes(1)

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
pesquisar
 
#c#